VÍDEOS - RODANDO O MUNDO

Loading...

sexta-feira, 19 de abril de 2013

RUTA 40 - ARGENTINA

Nosso maior desafio e ao mesmo tempo nosso maior pesadelo nessa viagem era a rota 40, muito conhecida aqui na Argentina e por todos os viajantes nesse lado.
No trecho que ligas as "cidades" de Tres Lagos e Tamel Aike, de cerca de 200 Km a estrada é puro rípio

 e está sendo asfaltada ( o que vai tirar o charme eCo desafio de enfrentá-la) nos primeiros cento e poucos quilometros.
Na entrada da cidade um casal de alemães aguardava pelo terceiro dia acampados a beira da estrada por uma carona para o norte ou para qualquer ponto com alguma civilização.
Inacreditavelmente conseguimos colocá-los no carro e mais inacreditável ainda conseguimos espaço para as mochilas deles.
Nesse trecho da estrada somente moradores da região, ( população de Tres lagos = 312 habitantes)  já que o trafego para o norte prefere fazer a volta por estradas asfaltadas, o que deixava os dois em uma situação muito difícil.

A partir de Tres Rios rodamos muito pouco até que um dos maiores temores da viagem aconteceu, um pneu furado.




Um pneu furado não seria muito problema em algum lugar com estrutura ou mesmo calmo e tranquilo, mas isso não acontece na rota 40.  O furo foi muito grande, e o barulho do pneu esvaziando foi bem forte e assustador.
Ao tentar descer do carro tive uma idéia do que iria enfrentar, pois mal conseguia abrir a porta por causa do fortíssimo vento.
O estepe reserva que trouxe até estava fácil e foi retirado da caçamba com uma certa tranquilidade, mas o macaco e a chave de roda....
Ao entrar na rota 40 eu deveria ter me preparado e deixado à mão todas as ferramentas necessárias, mas não fiz isso e começava a pagar o preço.
Tivemos que descer malas e caixas da caçamba, e não demorou para o vento levar a tampa da caixa de alimentos.  Comecei a empilhas as caixas e malas do lado de fora tentando fazer uma barreira para o vento me protegendo na parte de baixo do carro onde tentava colocar o macaco. Calcei o macaco com duas toras de madeira que havia trazido e levantei o carro sem muito problemas.
A chave de rodas.....
bem,    ela estava em baixo do banco traseiro, onde estava uma pilha de coisas e roupas e principalmente a cadeirinha da Luiza.
Aí começa:   tira a Luiza, tira as roupas, solta a cadeirinha, tira a cadeirinha, solta o banco, pega a chave de roda, fecha o banco, coloca a cadeirinha......e ai vai.....
Segundo a Dinira eu troquei o pneu em tempo record, mas posso garantir que não foi fácil. Esse pneu pesa uma tonelada e estava preocupado caso alguma coisa desse errado e tivessemos que passar mai tempo ali do que o necessário.
A estrada é muito deserta e nos quase 200 Km de rípio, não cruzamos com nenhuma cidade e pouquissimos carros.
Pneu trocado seguimos viagem bem preocupados, pois apesar de ter mais um estepe no carro, mais uma troca ia ser complicado pois o estepe da frontier para ser retirado é uma aventura a parte.O infeliz que projetou isso deveria ser condenado a retirar e colocar de volta 10 vezes por dia....... péssima posição!!!!

O asfalto chegou e com ele veio o alívio e a feliz sensação de termos encarado a pior parte da famosa rota 40.
Chegamos a uma cidade, depois de 560 Km rodados, chamada Perito Moreno, que já estava por mais de 30 horas em luz e que a previsão de volta era perto das 9 da noite, todos os hotéis, motéis, cafofos e afins estavam lotados ou fechados. Uma única opção foi um chalé podrão por mais de 100 dólares, que não me agradava em nada, mesmo porque não tinhamos garantia nenhuma que a luz voltaria.
Mesmo acabado dos 560 Km rodados, seguimos para uma micro cidade chamada Los Antiguos,
 já na fronteira com o Chile, no caminho de Chile Chico, nosso próximo destino, onde nos jogamos no primeiro hotel que encontramos bem na entrada da cidade, não sem antes sermos parados pela polícia mais uma vez.

Um comentário:

Erick Marques Quedevez disse...

Muito bacana o relato!
Estou pensando em fazer uma viagem pela América do Sul com minha esposa, a bordo de uma Hilux 2007.
Moro em Vila Velha/ES e disponho de, no máximo, 25 dias.

A rota 40 parece ser incrível!